O Cinequanon hoje

Fiel aos mesmos princípios que nortearam o lançamento do site (ver texto abaixo), o Cinequanon.art.br é hoje editado por Cid Nader e tem como redatores: Cesar Zamberlan, Fábio Yamaji, Liciane Mamede, Gabriel Carneiro, Fernando Oriente, Rogério Moraes, Laura Cànepa, Leandro Caraça, Hirao, Marcelo Lyra, Rogério Ferraraz, Fernando Watanabe e Janaina Navarro.

A história do Cinequanon

O Cinequanon.art.br foi ao ar oficialmente no dia 1º de agosto de 2005 e na festa de lançamento no Cinesesc, em São Paulo, exibiu o documentário então inédito "Moacir, Arte Bruta" do cineasta Walter Carvalho.
Criado por Cesar Zamberlan, Cid Nader, Érico Fuks e Fábio Yamaji, cinéfilos que se conheceram e se tornaram amigos graças à Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, a ideia inicial do site era ampliar e registrar a discussão sobre cinema, algo tão comum entre os cinéfilos, unindo num mesmo espaço: crítica, comentários e dicas de cinéfilos, além de pesquisas e ensaios acadêmicos sobre cinema. Além dos quatros editores, o site tinha ainda na sua formação inicial os pesquisadores Laura Cánepa e Rogério Ferraraz.

A ideia de ter um espaço para discutir questões relacionadas à Sétima Arte era um sonho antigo deste grupo de cinéfilos e com o advento da Internet, esta possibilidade se materializou, por ser um suporte barato e democrático que possibilitava a troca de informações, a exposição de ideias e o debate.

O nome do site, cinequanon.art.br, brinca com o imperativo do cinéfilo que faz da ida ao cinema uma condição sine qua non para a sua existência. O nosso desejo com o cinequanon.art.br era, e ainda é, registrar e organizar essas discussões, esses mergulhos pelas questões que envolvem o cinema e a cinefília. Tudo da maneira mais franca e aberta possível, sem policiamentos, sem restrições editoriais e sem imposições mercadológicas, visando apenas ampliar o espaço de discussão, democratizar o debate, tal qual ele se dava durante a Mostra e fora dela.

Neste sentido, o cinequanon.art.br nada mais é, desde o seu nascimento, do que o agrupamento das percepções individuais, distintas que cada espectador tem sobre o cinema, procurando explorar essas saudáveis divergências, e até mesmo idiossincrasias, no ver e falar sobre o assunto para que deste amigável confronto possa surgir não uma verdade, mas uma união, um congraçamento ainda maior entre cinéfilos e a Sétima Arte.

O único elemento em comum que nos move e que nos levou a criar e manter o cinequanon.art.br é algo em si simples e muito grande: a paixão pelo cinema.