EM SEU LUGAR:


Fonte: [+] [-]
Original: In Her Shoes
País: EUA
Direção: Curtis Hanson
Elenco: Cameron Diaz, Toni Collette, Shirley MacLaine, Mark Feuerstein, Brooke Smith e Francine Beers.
Duração: 130
Estréia: 2/12/2005
Ano: 2005


"Em Seu Lugar" - filme cartilha


Autor: Cid Nader

Existe um estilo de cinema, quase sempre proveniente dos Estados Unidos, que usa uma espécie de cartilha cujo objetivo é ensinar como laçar um público específico - meio família, sabe? -, avesso a tramas mais elaboradas e a personagens de identidade definida e imutável - na caso dos maus, lógicos - disposto a rir, se emocionar e chorar um pouquinho só; tudo para não estragar o programa pós cinema.

Reza tal cartilha, que atores/atrizes famosos e jovens devem dividir a cena com atores/atrizes ex-jovens e "bem envelhecidos" - não bem velhinhos, e sim envelhecidos, mas "apresentáveis", "bonitos", com "cara saudável"; se é que você me entende. Que haja desavenças, no início, de deixar as brigas entre israelenses e palestinos tão pueris quanto as de Tom e Jerry; mas com a certeza de que, ao final, a reconcilição será algo tão certo quanto a Rocinha ser uma favela dos morros cariocas. Patinhos feios que virem lindos cisnes. Ricos e bem sucedidos que se encantem e sucumbam ao aprazível modo folclórico de vida dos mais desprovidos. Etc, etc, etc.

Um representante oficial desse tipo de cinema que está estreando em nossas telas, no aguardo de seu público certo e fiel, é "Em Seu Lugar", dirigido por "Curtis Hanson" e estrelado por Cameron Diaz, Toni Colette e Shirley MacLaine - percebeu: jovens e velha (bem).

Cameron Diaz, como a irresponsável - bonita e desejável - e "perdida" irmã da bem sucedida e "meio gordinha" Colette, atravessa boa parte da trama dando "cabeçadas" e com as pernas de fora - não obrigatoriamente nessa ordem -, indo a um dado momento ao encontro da avó materna (Shirley), em busca de paz e comodidade financeira.

Cameron manda muito bem, como sempre, desde seu fulgurante surgimento em "O Máskara" - à época, com um pouco mais de carne recobrindo seus bem torneados músculos. Shirley MacLaine também, mas num papel que vem repetindo desde que "envelheceu", em "Laços de Ternura". Toni Colette, ok; compõe corretamente seu personagem.

Curtis Hanson, que nunca foi uma das cerejas do sorvete, já foi ao menos mais ousado em "L.A. - Cidade Proibida", e fez esse seu novo trabalho sem querer arriscar jamais, não ousando nunca, em uma só tomada de câmera que fosse, ou num corte mais intrincado. Aproveita-se, sim, da capacidade das atrizes, que conseguem superar alguma marmeladas perpetradas pelo roteiro: um chá de cozinha oferecido pela madrasta, que parece arrancado de um manual do maniqueísta; um salto quebrado; um ex-namorado pego de surpresa ao passar a mão nos cabelos da "ex"; uma cobrança pela ausência da avó ...

Mas o filme tem, também, alguns bons e emocionantes momentos, próximo do final: a história de um cachorrinho associada à proteção exercida pela mais velha em momento importante da infância; o desenlace de uma situação que envolve Cameron e um "cliente" de leitura no asilo ... Assim mesmo. Bem cartilha. Para agradar quem não quer nada mais do que o óbvio.
Leia também: