Seo Chico – Um Retrato



“Seo Chico – Um Retrato” posiciona-se desde o início de maneira cerimoniosa diante de seu objeto de estudo, o lavrador catarinense Francisco Thomaz dos Santos, último sobrevivente de uma outrora rentável comunidade de engenhos movidos a tração animal. Tal admiração é pontuada pela bela trilha sonora, pela câmera que se detêm lenta e detalhadamente sobre seu personagem e pelos longos letreiros iniciais, que contextualizam o que veremos como o derradeiro exemplar de um modo de vida há muito esquecido pela sociedade.

O filme também se declara um documentário não sobre Seo Chico, mas sobre os encontros deste com a equipe de filmagem. Nada errado a priori, mas essa simples mudança de proposta antecipa uma de suas fragilidades: a ausência de uma linha mestra que oriente de melhor maneira o fluxo e foco do documentário, que por isso transita de modo aparentemente aleatório entre a história dos tempos áureos dos engenhos, a vida pessoal de Seo Chico, sua relação com a equipe de filmagem e as circunstâncias de sua morte.

O documentário se divide em dois momentos: o dos encontros da equipe com Seo Chico em 1996 (ano em que, logo após as filmagens, Seo Chico veio a ser brutalmente assassinado) e o retorno a seu alambique sete anos após sua morte. Esse longo período entre as filmagens permitiu aparentemente um amadurecimento do diretor José Rafael Mamigonian pois, ao contrário da câmera inquieta e vacilante do início, que tentava tudo captar, indo e voltando do detalhe ao plano mais aberto como se incerto quanto ao que enquadrar, o retorno sete anos depois nos é apresentado com uma câmera segura, um controle preciso do ritmo e tempo das cenas e um clima que, apesar de triste e melancólico, é extremamente belo e tocante.

A montagem ainda poderia tornar o filme mais enxuto, reduzindo cenas demasiadamente longas que pouco acrescentam ao quadro geral, mas aparentemente, devido à interrupção das filmagens pela morte de seu personagem, o diretor optou por permanecer com o máximo de registros documentados, na tentativa de traçar um retrato mais preciso de Seo Chico.

Obra de iniciação, o filme busca na visível admiração e respeito pelo personagem retratado sua força principal. Caberá agora ao diretor corroborar, em seus próximos trabalhos, o amadurecimento vislumbrado na última parte do filme, o que lhe permitirá, em se concretizando, realizar belas e interessantes obras.

Leonardo Mecchi – Editor do site Enquadramento






















  Ficha Técnica:  Seo Chico – Um Retrato . Brasil. 2004. Direção: José Rafael Mamigonian. Com: Francisco Thomaz dos Santos. 95 minutos.





Confira outras matérias sobre a Mostra

Voltar para a listagem de filmes do A-Mostra