Fonte: [+] [-]
 

Cláudio Cunha conta como era gostoso o nosso cinema













Na década de 1970, Cláudio Cunha foi um dos mais poderosos produtores da chamada “Boca do Lixo” paulistana, local onde se produziram os principais filmes do ciclo conhecido como “pornochanchada”. Entre os grandes sucessos do produtor e diretor estão títulos hoje pouco lembrados, mas que levaram milhões de brasileiros ao cinema, tais como “Snuff – Vìtimas do Prazer” (1977), “Amada Amante” (1978) e “A Dama da Zona” (1979).

Afastado do cinema desde a metade dos anos 80, hoje, Cláudio Cunha, aos 58 anos, está no livro Guinness como produtor e ator do espetáculo teatral mais longevo do mundo: “O Analista de Bagé”, em cartaz nos teatros brasileiros desde 1983. Nesta entrevista exclusiva ao cinequanon.art.br, ele solta o verbo e diz o que pensa do passado, do presente e do futuro do cinema brasileiro.



Fale um pouco sobre como você chegou ao cinema.

Cláudio Cunha –
Minha primeira participação no cinema foi como ator, num filme do Roberto Mauro chamado “As Mulheres Amam por Conveniência” (1972). Na época, eu tinha uns 20 e poucos anos, e estava dando os primeiros passos na carreira: trabalhava na TV Excelsior como assistente de estúdio, e tinha planos de me tornar ator. Mas, o mais curioso foi como cheguei a querer me tornar ator. Durante a segunda metade da década de 1960, eu era funcionário público, havia conseguido este cargo por que fiz um discurso para o Adhemar de Barros (governador da época) que me colocou na Caixa Econômica Estadual, na Carteira Hipotecária. Era um alto emprego. Mas, em 1967, fui baleado numa briga de rua, fiquei um ano no Hospital do Servidor Público com a bala alojada na coluna cervical e, deprimido, num certo dia, decidi me jogar pela janela. Então, o Nicolau, um cara que tinha se operado das amídalas e que dividia o quarto comigo, me puxou, e quase teve uma hemorragia de tanto gritar socorro. A história ficou famosa, tenho até algumas reportagens antigas que falam sobre isso... Pois bem, depois desse episódio, ainda no hospital, assisti a um filme (cujo título não lembro) que falava sobre um jogador de basquete que sofrera um acidente parecido, e esse filme me deu força para enfrentar todo o problema. Comecei, assim, a me interessar por cinema e, no hospital mesmo, já comecei a pedir livros sobre o assunto. E decidi: “se eu sair daqui, vou me meter na vida artística”. Então, quando saí do hospital, nunca mais voltei para a Caixa Econômica: abandonei meu emprego e comecei a ser figurante da TV Excelsior.

E como você chegou ao filme do Roberto Mauro? Na época, era muito comum essa migração da TV para o cinema?

Cláudio Cunha:
: Sim, era. Mas a minha entrada no filme se deu por intermédio de uma namorada, a Rejane Ritter, que estava escalada para o filme dele. Ela me apresentou ao Roberto Mauro, ele gostou de mim e me deu o papel. Mas eu continuava na Excelsior, onde fiz uma novela chamada “Meu Pedacinho de Chão” – que deu um ibope violento. Aí, um dia apareceu na TV um japonês bem picareta que tinha uma dessas agências de formação de atores e que me convidou para dar uma palestra pros alunos dele. Quando cheguei lá, notei um cara fotografando o evento com uma câmera maravilhosa, material de último tipo. No final da reunião, o japonês me apresentou pra ele: “esse aqui é o Pedro Faus, um maníaco por fotografia que fotografa aqui pra mim de graça”. Acabei ficando amigo do cara, e ele me convidou pra jantar na casa dele. Era uma tremenda mansão no Jardim América, com mordomo e tudo, e eu fiquei impressionado com toda aquela riqueza, pois sou um garoto de subúrbio, da Vila Guilherme. Então, quando o cara foi mostrar as fotos dele num enorme projetor de slides, perguntei: “Pedrinho, por que você não faz um filme, já que gosta tanto de fotografia?”. Ele ficou interessado, e eu falei que poderia fazer um orçamento e um roteiro e que o custo ficaria em torno de uns cem mil. Ele aceitou! Fiquei tão empolgado que, naquela mesma noite, bolei o argumento de “O Poderoso Machão”, que era copiado do modelo de comédias eróticas italianas que faziam muito sucesso por aqui.

De alguma maneira, então, já pensando em termos do que depois seria chamado de pornochancada?

Cláudio Cunha:
Sim. O que se chama de pornochanchada era o cinema italiano que a gente copiava. O cinema brasileiro da época tinha perdido o público da chanchada e era esse público que a gente queria trazer de volta. Então, a gente copiava os filmes italianos de sucesso, que eram baratos e tinham apelo de público por causa do erotismo. O argumento de “O Poderoso Machão” era baseado no “Super-Macho” do Orlando Buzanca, aquele filme sobre um cara que tinha três culhões. Minha história era a seguinte: um cara que morava na pensão da noiva tinha o hábito de espiá-la trocando de roupa. Um dia, enquanto a espiava, conferia pelo rádio o resultado da Loteria Esportiva. Aí, à medida em que ela ia tirando a roupa, ele ia acertando os jogos e, quando ela tirava a calcinha, ele cravava os 13 pontos. Por causa disso, ele acabava adquirindo um priapismo permanente. O argumento era muito engraçado, escrevi o roteiro com o Sílvio de Abreu que tinha uma escola de cinema.

E quem dirigiu o filme?

Cláudio Cunha:
Pois é, chamei o Roberto Mauro e disse: “descolei um boi” (“Boi” era como a gente chamava os caras que bancavam os filmes, geralmente em busca de conseguir mulher, o que não era o caso do Pedrinho). Perguntei por quanto ele faria o filme e ele disse que tudo sairia por uns 80 mil. Era perfeito, porque a gente faria o filme, pagaria nossas dívidas e dividiria o que sobrasse. Ainda por cima, o Pedrinho daria 50% do filme pra nós! O cara simplesmente havia caído do céu. A gente não acreditava. No dia de assinar o contrato, eu ainda não tinha apresentado o Roberto Mauro pros caras, pois ele tinha medo de estragar tudo (ele era daqueles pessimistas que andam sempre com uma nuvem preta na cabeça, então já viu, ele achava que alguma coisa ia dar muito errado). Chegamos ao escritório do Pedrinho no Anhangabaú, o Roberto morrendo de medo, subimos e, quando chegamos, a secretária falou que o senhor Pedro não poderia nos atender. Foi suficiente para o Roberto dizer: “Tá vendo? Eu sabia que isso não ia dar certo”, e tal. Mas no final fomos atendidos pelo advogado, que nos recebeu com o contrato e o cheque. O Roberto quase desmaiou. Abrimos uma conta conjunta no banco, pagamos nossas dívidas e fizemos o filme, estrelado pelo Ewerton de Castro.

O filme fez sucesso?

Cláudio Cunha:
Não exatamente, nós sofremos muito por causa da censura, muitas partes foram cortadas. O filme foi lançado em 1976, bem depois da produção. Inclusive o Pedrinho se aborreceu com a gente, acabou vendendo a parte dele para um cara que tinha um laboratório cinematográfico aqui em São Paulo. Apesar de tudo, posso me orgulhar de ter lançado, nesse filme, a atriz Matilde Mastrangi, musa do cinema brasileiro nos anos 70.

E como foi sua estréia na direção, com “Clube das Infiéis” (1974)?

Cláudio Cunha:
Esse filme um amigo meu bancou. Eu tinha um posto de gasolina, ele também. Quase fali meu posto para fazer o filme. O roteiro era do Marcus Rey, que trabalhou em muitos filmes nos anos 70. Nesse filme, eu também lancei outras duas moças que se tornaram musas do cinema brasileiro. Como a gente não tinha dinheiro para pagar atrizes, eu convidei a Helena Ramos que era telemoça do Sílvio Santos e a Aldine Miller que tinha recém chegado do Sul.

E você já se sentia seguro como diretor de cinema?

Cláudio Cunha:
Sim, mas eu era totalmente intuitivo, nem sei explicar exatamente como eu fazia. Não tinha story board e mesmo a decupagem das cenas era pensada na hora da filmagem, durante o ensaio. Acho que, por ter passado toda a minha infância lendo gibis, eu tinha alguma noção de enquadramento e de encadeamento das cenas que vem das histórias em quadrinhos, o que facilitava muito, pois quadrinhos e cinema são artes que têm muito em comum.

No seu filme seguinte, “O Dia em que o Santo Pecou” (1975), você foi só diretor contratado. Como foi a experiência?

Cláudio Cunha:
Esse filme foi bem mais complicado. A idéia foi do Benedito Ruy Barbosa. Ele ficara impressionado com meu trabalho em “O Clube das Infiéis” e me disse assim: “Se com um roteiro de merda do Marcus Rey você fez esse filme, imagino o que você vai fazer com o meu roteiro”. Achei isso uma injustiça, pois o Marcus Rey sempre foi um roteirista de cinema, enquanto o Ruy Barbosa é mais um novelista. Mas, topei, claro, e fomos fazer o filme. Era um projeto pretensioso, caro, um filme de época. Além disso, não era eu que produzia: os produtores eram o próprio Benedito, associado ao Laudo Natel que era governador de São Paulo na época e tinha uma dívida moral com o Benedito por causa de alguns problemas com uma novela dele na TV Cultura. As filmagens foram infernais, pois eu era apenas um diretor contratado, com o roteirista do lado me enchendo o dia inteiro. A coisa foi tão longe que um dia o proibi o Benedito de aparecer no set. Mas, foi uma experiência importante, tive que me impor em cima de todo mundo e até lancei a mulher dele como atriz, contra a vontade dele (ela pediu um papel).

Mas, apesar do título, esse filme não tinha relação com a pornochanchada, não é?

Cláudio Cunha:
Pois é, o argumento é em cima de uma lenda que existe em São Sebastião. Segundo a história que se conta por lá, um dia, foi encontrado morto em frente à igreja da cidade um cidadão que era visto como herege por ofender o santo padroeiro da cidade em procissões. Aí, quando chega o Delegado para investigar, todo o povo diz que o assassino foi o Santo e, como naquela época entidades sobrenaturais podiam ser condenadas, o Santo acabou sendo condenado pelo Juiz como assassino do valentão. Então, a relação desse filme com as pornochanchadas existe apenas no título, que acabou sendo interessante para atrair o público. Até dei uma apimentada no filme, pois sabia o que estava rolando na época, mas foi muito pouco.

Agora fale um pouco sobre “Snuff – Vítimas do Prazer” (1977), sua parceria com Carlos Reichembach que se tornou um dos maiores sucessos do cinema brasileiro de todos os tempos.

Cláudio Cunha:
Esse filme eu dirigi e produzi. O Carlão fez o roteiro. Contava a história de dois americanos que chegam ao Brasil para filmar um snuff-movie (filme em que as pessoas são assassinadas de verdade). A divulgação que a gente fez foi bem pensada: o filme tinha um trailer em que entrevistávamos pessoas sobre o que elas achavam de um filme em que os atores morrem de verdade. A curiosidade gerada foi grande, claro. Mas, quando lançamos o filme, não tínhamos idéia de como seria a recepção. Então, houve a estréia. Foi no Cine Marabá, um dos maiores da cidade, numa segunda-feira. Curioso para ver como seria o primeiro dia (que era decisivo para medir o sucesso dos filmes), cheguei à avenida Ipiranga, vi um tumulto, e pensei “caralho, estragou minha estréia, o que será que houve?”. Parecia estar havendo uma passeata bem em frente ao cinema. Só quando me aproximei é que percebi que o tumulto era por causa do meu filme.

E não era nenhuma passeata contra o filme?

Cláudio Cunha:
Não, era fila, mesmo! E não era pra menos: na entrada no Marabá, em letras garrafais, uma faixa anunciava: “Snuff – O filme em que as atrizes foram estupradas e assassinadas de verdade”; “Snuff - O filme assassino” e coisas desse tipo. Como eu sabia que o filme teria impacto, eu também havia me precavido: contratei duas mulheres para gritarem na primeira sessão. Eram umas professoras que ganhavam um salário de merda, viajavam com a cópia para gritar e controlar a bilheteria. Foi uma loucura, as matines lotavam, e eram aquelas lotações gigantes, com mais de mil pessoas por sessão. O filme dobrou varias semanas nesse pique, talvez tenha sido o filme mais lucrativo que eu produzi, mas como eu era muito ingênuo, não controlei direito a bilheteria, devo ter perdido um dinheirão ali.

Seu filme seguinte como produtor e diretor, “Amada Amante” (1978), também causou polêmica, mas por outras razoes. Como foi essa história?

Cláudio Cunha:
Eu tinha o título “Amada Amante” registrado na Biblioteca Nacional desde que o Roberto Carlos lançara a música. Um dia, eu comentei numa distribuidora que estava tentando levantar fundos para um filme com esse título. Só que o Luiz Carlos Barreto estava por lá, cresceu o olho e, na semana seguinte, já tinha comprado os direitos da música do Roberto para fazer um filme com o mesmo nome, sem saber que eu já o tinha registrado. Aí aconteceu algo inusitado: os dois filmes começaram a ser filmados ao mesmo tempo, e na mesma cidade – Rio de Janeiro, para onde eu viajei com a equipe. Era meu primeiro filme com elenco de peso (Sandra Bréa, Luis Gustavo), e eu queria muito filmar no Rio, pois a história era a de uma família que se mudava do interior de São Paulo para lá. E, enquanto a gente filmava, a briga na justiça corria solta por causa do título. O Barreto chegou a dar uma entrevista em que me acusava: “Cláudio Cunha é um gangster da Boca do Lixo”, ele disse. Até entrei com processo na Lei de Imprensa, fiz ele se retratar e tal. Depois de muita polêmica, fiquei com o título e ele com a música. Essa briga toda é citada no livro do Walter Clark (página 240), em que ele conta: “Perdemos a briga de ‘Amada Amante’ para o Cláudio Cunha; o filme dele fez dois milhões de espectadores, enquanto o nosso fez apenas 200 mil. Esses Barretos não entendem nada de cinema”. Adoro essa passagem, mas tenho uma correção a fazer: “Amada Amante” não fez dois milhões de espectadores, e sim 8 milhões.

Depois, em 1979, você produziu um dos clássicos do cinema da Boca, “A Dama da Zona”, e também arrumou briga...

Cláudio Cunha:
Esse foi um filme que eu produzi de bronca. A história é a seguinte: em 1978, eu tinha feito o filme “Um Sábado Alucinante”, com a Sandra Bréa, naquele clima de discoteca que estava na moda. Mas, logo em seguida, o Aníbal Massaini lançou “Embalos Alucinantes”, abrindo uma concorrência que era péssima para o meu filme. Eu fiquei puto, pedi para ele mudar o título, mas não teve jeito. Aí eu falei para o Ody Fraga (um dos principais diretores e roteiristas da Boca,e certamente o mais versátil): “Ody, vamos começar a filmar essa semana um concorrente para ‘O Caçador de Esmeraldas’ que o Massaini está produzindo. O nosso vai se chamar ‘O Caçador da Esmeralda’, vai ser sobre um português chamado Fernão Dias que está apaixonado pela mulata Esmeralda. Nós vamos fuder esse cara”. O Ody topou, e nós fizemos o roteiro. Aí, depois, com os filmes prontos, o velho Osvaldo Massaini me chamou no escritório dele, pediu pra eu mudar o nome do filme, e eu acabei cedendo. No final, o título “A Dama da Zona” também ficou muito bom.



Pelo que você descreve, havia um clima de amizade, mas também de concorrência entre os produtores da Boca... Como era a convivência entre você, David Cardoso, Antônio Pólo Galante, Aníbal Massaini, Fauzi Mansur e outros produtores da Rua do Triunfo?

Cláudio Cunha:
Acho que todos tínhamos em comum um grande zelo pelos nossos filmes e o fato de usar tudo o que ganhávamos para fazer mais filmes. E dava muito dinheiro, todos nós ficamos ricos na época e também falimos exatamente por continuarmos investindo em cinema até o fim. É lógico que havia uma competição, mas era saudável. Por exemplo, assim que chegava a cópia, você chamava logo os colegas para assistirem. Era o momento do parto, no laboratório da Líder, na Prestes Maia. O pessoal assistia, todo mundo ia pro bar e começava a discutir o filme. Às vezes, saía até porrada, mas porque todos éramos absolutamente apaixonados pelo que fazíamos.

E vocês conseguiam saber, nessas primeiras sessões, se os filmes teriam sucesso de público?

Cláudio Cunha:
Não, era uma incógnita. O que matava mesmo era a primeira semana em cartaz. Por exemplo, quando você colocava um filme no Marabá, que era um dos maiores cinemas do centro de São Paulo, ao meio dia estava todo mundo ligando para a gerente para saber como fôra a primeira sessão da manhã. Por essa sessão, chamada de “vesperal”, é que você podia prever se o filme seria um sucesso ou não. Exatamente como aconteceu com “Snuff – Vítimas do Prazer”. Depois daquele tumulto na sessão da manhã, eu sabia que tinha acertado o alvo.

Depois de “A Dama da Zona” veio um filme menos polêmico, mas que mexia com um assunto importante da época: o divórcio. De onde veio a idéia de “O Gosto do Pecado”, que você produziu e dirigiu?

Cláudio Cunha:
Esse filme teve roteiro meu e do Inácio Araújo, que hoje é crítico da Folha de São Paulo, mas trabalhava muito na Boca do Lixo ligado à turma do Carlão Reichembach (que fez a fotografia desse filme). Eu já o conhecia porque ele havia feito a montagem de “O Dia em que o Santo Pecou”. O filme era sobre um homem recém descasado que sofre com a solidão, com o ciúme que tem da ex-mulher, com a vontade de saber com quem ela está transando e tal. A história que nós escrevemos tinha tudo a ver com o momento que eu estava passando, pois estava terminando meu primeiro casamento.

Depois de ”O Gosto do Pecado”, você voltou ao Rio de Janeiro (onde filmara “Amada Amante”), pra fazer o filme “Profissão: Mulher” (1982). Como foi essa experiência?

Cláudio Cunha:
Esse filme me quebrou. Gastei uma fortuna com ele, era meu trabalho mais pretensioso. Também me faltou sorte na censura: o filme ficou um ano preso, pois a diretora da censura implicou com ele de uma forma violenta, a ponto de o filme ser liberado pelo Conselho Superior de Censura e ela entrar com recurso. Acho que o filme deve ter batido em algum problema pessoal dela, sei lá. O título talvez não tenha ajudado, também. Aí eu quebrei.

Você se referiu muitas vezes à censura. Seus filmes enfrentaram muitos problemas com os censores do Regime Militar?

Cláudio Cunha:
Sim! Aliás, é importante ressaltar que, ao contrario do que se diz por aí, o grupo da pornochanchada não foi apoiado pelo Regime Militar. A gente foi muito sacaneado, na verdade, e nunca ganhamos um centavo do dinheiro público. A gente incomodava por ter tido a habilidade de reconquistar o público popular para o cinema brasileiro, pois a gente fazia filme para o cara que pegava o metrô pra ir trabalhar e não para o estudante da USP. Qual era a nossa fórmula, então? Colocar umas mulheres peladas pra atrair esses caras. Eram filmes que tinham a nossa cara, a realidade do homem comum, e esses filmes agradavam. A gente também se beneficiava da Lei da Obrigatoriedade: se o filme dobrava a primeira e a segunda semana com público bom, ele só saía de cartaz com a anuência do produtor. Isso, para as multinacionais, era um transtorno. Imagina um filme com mídia mundial, que ganhou Oscar e tal, ter que esperar o filme do Cláudio Cunha, do David Cardoso ou do Tony Vieira sair depois da sétima, oitava semana. Eles não se conformavam com isso. Então, foi iniciada uma guerra contra os filmes brasileiros e as multinacionais tinham dois aliados poderosos: a censura, encarregada de acabar com a indústria que a gente criou, e a banda podre da mídia, encarregada de nos desmoralizar diante do público. Então, pra essa mídia, todo o filme que nós fazíamos era “pornô-alguma coisa”. “Amada Amante” era pornodrama, “Sábado Alucinante” era pornodiscoteca, “Vítimas do Prazer” era pornoterror, “O Dia em que o Danto Pecou” era pornoluxo”, e assim por diante. Aí, quando houve de fato a virada para o sexo explícito no começo dos anos 80, imposta pela indústria americana, eu resolvi “pornocudeles” e fiz “Oh, Rebuceteio!”, meu único filme de sexo explícito.

Que é o seu filme mais famoso internacionalmente.

Cláudio Cunha:
Pois é. Descobri recentemente que “Oh, Rebuceteio!” é considerado pelos experts como um dos dez melhores do mundo. Já houve três documentaristas que me procuraram para falar nele. E a origem desse filme é curiosa: eu tinha falido com “Profissão: Mulher”, talvez justamente porque o filme foi lançado numa época em que os filmes de sexo explícito eram a prioridade absoluta dos exibidores e de grande parte dos produtores. Então, já estava em cartaz com a peça “O Analista de Bagé”, inicialmente estrelada pelo Paulo César Pereio e depois por mim. Aí pensei: “eu já fui tantas vezes chamado de pornodiretor, que agora vou fazer um filme realmente de sexo explícito”. O título veio de uma brincadeira com aquele espetáculo “Oh, Calcutá!” e de uma palavra que eu já tinha usado no roteiro de “O Poderoso Machão” e de “A Dama da Zona”: rebuceteio. Como “O Analista de Bagé” estava em cartaz no Teatro Procópio Ferreira, a gente filmou “Oh, Rebuceteio!” lá mesmo, pois a história se passa num teatro. Quando o elenco do “Analista” ia embora, pelas 11 horas da noite, o pessoal do “Rebu” já estava lá esperando para filmar. A gente varava a madrugada lá, eu ia dormir todo dia às nove horas da manhã. Curiosamente, não foi um filme muito lucrativo: eu estava viajando com a peça e não pude cuidar da bilheteria, então o filme deu muita evasão de renda. E, no final das contas, é um filme engraçado, um “meta-pornô”, com o perdão do trocadilho. O filme tem trilha-sonora do Zé Rodrix e do Miguel Paiva (o cartunista). Acabou sendo meu último filme.

E você tem planos de voltar a fazer cinema?

Cláudio Cunha:
Tenho, mas é muito difícil. Hoje tenho filhos pequenos, vivo do meu trabalho, que é viajar com a peça, e pra fazer cinema tem que ter muita grana na mão – hoje, mais do que antes. E também ainda existe uma muita discriminação com o pessoal da pornochanchada. Quando fui fazer o programa do Jô Soares recentemente, ele começou a me apresentar assim: “Estamos aqui com o ex-seminarista Cláudio Cunha, que virou diretor de filmes pornô”. E aquilo me bateu mal, porque eu fiz muitos filmes, como ator, produtor e diretor, e só um foi pornô – mesmo assim, uma brincadeira com o pornô.

Mas há algum projeto em vista?

Cláudio Cunha:
Uma idéia que eu tenho é de fazer um filme chamado “O Maníaco do Parque” (título que registrei na Biblioteca Nacional), mas não se trata propriamente de um filme sobre ele, e, sim, sobre a exploração sensacionalista da imprensa em torno no caso. Lembro de ter ficado impressionado, na época, com a postura dos apresentadores de TV diante dos pais dele que estavam vivendo um drama tão grande quanto o dos pais das vítimas.

E “O Analista de Bagé” pode virar filme?

Cláudio Cunha:
Essa história é mais complicada, porque eu escrevi o roteiro, que foi dificílimo de fazer. Levei quatro anos para terminá-lo, porque o personagem que o Verissimo criou é de anedotas, então é difícil segurar um filme com ele (tanto que, quando procurei o Benedito Ruy Barbosa para escrever, ele disse: “É impossível, o Analista de Bagé não dá roteiro”). Só que, quando procurei o Veríssimo com o roteiro pronto, ele não quis. Foi terrível, porque viajei para Porto Alegre já para legalizar as coisas, ele havia me dado o sinal verde quatro anos antes e quando eu cheguei lá ele disse: “Mudei de idéia, não quero o Analista no cinema”. Ele nem quis ler. Era um dia particularmente constrangedor, porque havia uma repórter com ele fazendo aquelas matérias bobas de “um dia com o escritor”... A coitada ouviu toda a conversa, e eu estava puto, porque depois de 20 anos fazendo o personagem no teatro, que é uma coisa efêmera, eu queria registrá-lo no cinema. Ele falou que então tudo bem, mas que eu não usasse o nome, que colocasse “O Gaúcho Erótico”, “O Analista de Livramento”, qualquer coisa, menos “O Analista de Bagé”. Acho que na época ele estava aborrecido por causa do filme “Ed Mort” e eu acabei pagando o pato, pois ele nem leu o roteiro. Então, estou pensando em fazer um roteiro sobre essa história, sobre um cara que faz um personagem há décadas, mas entra em conflito com o autor original, que sonha com a Academia Brasileira de Letras e tal...

E quem seria o ator nesse filme?

Cláudio Cunha:
Desta vez, eu mesmo. Sabe, nunca me achei um bom ator no tempo que eu fazia cinema. Eu me achava um bom diretor, mas não ator. Só fui me descobrir como ator quando substituí o Paulo César Pereio no “Analista” e, depois de 25 anos de teatro, acho que sou um bom ator, pelo meu timming e pelo meu domínio de platéia. Digo que aprendi a ser ator no exercício do palco, assim como aprendi a ser cineasta fazendo cinema. Então, agora, se eu for fazer um filme, quero me dirigir, atuar nos meus filmes.

Entrevista: Laura Cánepa e Remier Lion
Edição: Laura Cánepa